segunda-feira, 12 de abril de 2010

Procure recomeçar......Parte 3



Um infeliz superintendente de escolas decidiu recomeçar depois que compreendeu que seu emprego o estava deprimindo.
Ele começou a ensinar quando se graduou, mas com a intenção de estudar medicina depois de economizar o suficiente. Ma a única coisa que economizou foi a sua intenção. Em doze anos, adquiriu uma linda família, um bom emprego eum desiquilibrio nervoso.
Detestava o seu trabalho. Odiava a política que tinha de satisfazer para manter o seu emprego.Ele detestava seus deveres administrativos. entretando, o emprego representava quatro mil dólares por ano e isso não é capim, quando há uma espôsa, três filhos e um cão na manjedora, todos desejando comer a horas certas e regulares.
Durante muitos anos ele dera aos seus alunos graduandos as pérolas de seus conselhos de guia vocacional. Finalmente tratou de tomar uma para seu própio uso.
"Que faria você", perguntaria ele aos estudantes, "se tivesse um milhão de dólares"? E, enquanto os estudantes respondiam, ele se recostaria em sua cadeira de molas e diria: "Faça de conta que tem um milhão de dólares. Se você deseja ir para a América do Sul, pode fazê-lo, senão como passageiro de primeira classe, ao menos como marinheiro comum. Mas não há nada que você queira fazer e não possa, contanto que não complique seus desejos com demasiadas condições".
Eu tenho dito isso a meus clientes. Meu conselho a esse homem foi que seguisse o seu próprio conselho.
Resultado.........

sábado, 3 de abril de 2010

A vida é feliz quando temos bons amigos.

O Valor dum AmigoRecado Para Orkut - Rosas: 6

O “solitário” que trabalha arduamente para acumular riquezas, por certo, tem uma vida vazia. O sábio Rei Salomão escreveu: “Existe um, mas não há um segundo [quer dizer, um homem solitário sem amigo ou companheiro]; tampouco tem ele filho ou irmão, mas não há fim de seu trabalho árduo. Também, os próprios olhos dele não se fartam de riquezas: ‘E para quem trabalho arduamente e faço a minha alma carecer de coisas boas?’ Também isto é vaidade e é uma ocupação calamitosa.” (Ecl. 4:8) Quão inexpressiva é a vida dum sovina que não tem amigo, nem filho ou irmão, e quem nem mesmo colhe os benefícios de seu trabalho árduo! Ele simplesmente continua a acumular riquezas, não querendo gastar dinheiro com coisas que poderiam tornar sua vida mais confortável e agradável. Na morte, porém, é obrigado a abandonar tudo. Que futilidade!
Em muito melhor situação está aquele que trabalha junto com um bom amigo. O sábio prossegue: “Melhor dois do que um, porque eles têm boa recompensa pelo seu trabalho árduo.” (Ecl. 4:9) Trabalharem juntos traz benefícios, uma “boa recompensa”, na forma de auxílio, consolo e proteção. O Rei Salomão declara: “Se um deles cair, o outro pode levantar seu associado. [Isto se dá porque não é provável que ambos caiam ao mesmo tempo.] Mas, como será com apenas aquele um que cai, não havendo outro para levantá-lo? Ademais, se dois se deitarem juntos [como no caso de pernoitarem juntos, no frio, durante uma viagem] então certamente se aquecerão; mas, como pode apenas um manter-se aquecido? E se alguém levar de vencida a um que está só [que talvez percorra uma estrada perigosa], dois juntos poderiam manter-se de pé contra ele. E um cordão tríplice [que é mais forte do que aquele de apenas um ou dois fios] não pode ser prontamente rompido em dois.” — Ecl. 4:10-12.
Está vivendo em harmonia com o espírito destas palavras? Decididamente há grande valor em se ter amigos fidedignos.

W77 15/10 - O que o sábio queria dizer?

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Procure recomeçar...Parte 2


Continuação das palavras do Dr.David Harold Dink

O estudo dos acidentes industriais mostra que a média de acidentes aumenta quando os operários não estão satisfeitos em seus empregos. Muitos chamados casos acidentais são, em realidade, formas subconscientes de auto-mutilação. para ilustrar, vejamos: Uma mãe, brigando com sua filha, volta-se bruscamente e quebra a perna, devido a tensão nervosa. Isto aconteceu nos meus velhos dias de cirurgia ortopédica. Perguntei-lhe como se sentia sobre o que acontecera. A mãe se mostrou complacente, mas sem remorsos. "Pelo menos Dorlene não vai andar por aí" disse-me ela. "Terá que ficar em casa e tratar de mim".

A dra. Flanders Dunbar coligiu uma série de casos que pareciam "acidentes". A análise desses pseudo-acidentes, provou que eles tinham sido uma forma de ajustamento a situação desagradável, por meio de uma auto-mutilação inconsciente. Algumas dessas situações desagradaveis eram devidas ao desajustamento ao trabalho.

Os empregadores sabem que o homem que mais frequentemente adoece é o que não gosta de seu trabalho. O que, porém, eles não sabem é que muitas vezes o próprio emprego é o causador da moléstia.

.... Traduzindo em linguagem simples o que algumas escolas ensinam é que todos os nossos ajustamentos dependem do modo pelo qual ganhamos a vida. Há uma certa verdade nesta teoria, embora esse modo de afirmá-lo seja demasiado exclusivo. Um semântico acrescentaria as palavras, "em parte", depois da palavra "dependem".

Naturalmente seu trabalho exerce influência sobre seu aspecto na vida. Ele lhe da uma situação, um lugar na comunidade, e facilita as outras pessoas a formarem uma opinião sobre você. Você, por seu turno, é influenciado pelo que os outros pensam de você. Seu trabalho influi sobe seu ajustamento à familia e aos amigos. O modo pelo qual ganha sua vida penetra todas as sua relações sociais. Se seu ajustamento ao trabalho é um abcesso inflamado, toda sua vida fica envenenada pela infecção local.

Normalmente, um homem gosta de seu trabalho. O trabalho é mais que um simples meio de ganhar dinheiro. O trabalho é um meio de vida. O trabalho é uma oportunidade de criar. É uma oportunidade de exercitar nossas habilidades e capacidades técnicas, enfrentando problemas e resolvendo-os. Trabalho é alegria.

Se não se sente feliz no trabalho é porque alguma coisa esta errada. Talvez o erro seja quanto ao emprego. Talvez seja o chefe ou o gerente que descarrega seu nervosismo em cima de você. Ou talvez qualquer coisa esteja errada consigo mesmo. Uma jovem que se arrastava no emprego, passou repentinamente a achar que tudo eram rosas, quando recuperou o homem de quem gostava.

Talvez o emprego esteja certo e voce esteja bem, mas trata-se apenas de um caso de incompatibilidade. Nesse caso um novo impulso é indicado.

Por que o mau ajustamento o torna doente? Qual o modo pelo qual o mau ajustamento ao trabalho afeta suas emoções, seu diencéfalo e sua digestão? A resposta é: - pela decepção e pelo conflito. Voce deseja seu pagamento, mas quer fugir às circunstâncias em que o ganha. Não pode obter ambas as coisas. O resultado é a indecisão, a confusão mental e uma onda de inibições que se empraiam sobre o seu cérebro.

O mau ajustamento no trabalho é a campainha de Pavlov que significa três refeições certas e uma série sem fim de choques elétricos, na forma de contrariedades, derrotas e desânimo. Quer e não quer, ao mesmo tempo, daí surge a neurose.



quinta-feira, 1 de abril de 2010

Procure recomeçar...Parte 1

O que relato abaixo aconteceu há muitos anos atrás.

Um homem de negócios, disse a um médico: "Eu estava muito abatido. Os médicos me tratavam de colite e dispepsia". "Sentia-me doente e irritado. Meu médico me disse: "Sua doença é o seu trabalho. Procure outra espécie de ocupação se precisa de dinheiro para ganhar a vida. Abandone tudo o que esta fazendo, e faça outra coisa".
Eu era sócio do negócio. Durante dois anos estivera querendo deixá-lo. Um dia, esvaziei minha mesa e fui-me embora. Não tinha emprego, nem dinheiro. Todos os meus amigos comentaram minha coragem. Eu não me senti valoroso, sentia-me desesperado. Mas, depois que abandonei tudo, senti-me bem.
Desde então tenho lutado. Mas não tem sido tão mau. E devido a esse conselho tenho sucesso nos negócios e uma boa saúde.
Esta história pode ser multiplicada por cem.
Se você não gosta de seu trabalho, isso pode fazê-lo adoecer. Um trabalho que não esta de acordo conosco e contra o qual temos que lutar produz tensão nervosa, irritabilidade e doença fisíca. Não lhe convém. Pelo bem de sua saúde, mude de ocupação. Procure recomeçar.