sábado, 21 de maio de 2011

Os céus e a terra que agora existem... 2 Ped. 3:7

Alemanha

Como é bom visualizarmos esta Terra, que em muitos lugares já é linda. Imagine quando toda ela se tornar um paraíso.
Vale a pena nos esforçarmos hoje, embora vivamos num mundo tão estressante... para estarmos todos juntos vendo Jeová cumprir sua promessa.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Como Ter uma Família Feliz - Resolver problemas




Ele diz: “Onde estão as nossas filhas?”
Ela diz: “Estão no ‘shopping’ comprando roupas.”
Ele diz: [Irritado e falando alto] “‘Comprando roupas’? Mas elas compraram roupas o mês passado!”
Ela diz: [Na defensiva, sentindo-se magoada e acusada] “Mas está tendo uma liquidação. De qualquer maneira, elas me pediram primeiro, e eu disse que podiam ir.”
Ele diz: [Perdendo o controle e gritando] “Você sabe que eu não gosto quando as meninas gastam dinheiro sem me consultar! Como tomou essa decisão sem falar comigo?”

QUE problemas você acha que o casal citado acima precisa resolver? É óbvio que o marido tem dificuldade em controlar a raiva. Além disso, o casal parece discordar de quanta liberdade suas filhas devem ter. E parece que eles têm um problema de comunicação.
Nenhum casamento é perfeito. Todos os casais terão problemas de algum tipo. Não importa se os problemas são grandes ou pequenos, é essencial que o marido e a esposa aprendam a resolvê-los. Por quê?
Com o tempo, problemas não resolvidos podem se tornar barreiras que bloqueiam a comunicação. “Há contendas que são como a tranca duma torre de habitação”, observou o sábio Rei Salomão. (Provérbios 18:19) Como você pode abrir o caminho para uma comunicação mais eficaz ao lidar com problemas?
Se dissermos que a comunicação é o sangue de um casamento, então o amor e o respeito são o coração e os pulmões do relacionamento, ou seja, “órgãos” essenciais para o fluxo da boa comunicação. (Efésios 5:33) Quando se trata de resolver problemas, o amor motivará o casal a não levar em conta erros passados — com seus resultantes danos emocionais — e a concentrar-se no problema que enfrentam no momento. (1 Coríntios 13:4, 5; 1 Pedro 4:8) O cônjuge que mostra respeito permite que o outro se expresse livremente e se esforça para prestar atenção no significado por trás do que é dito, não apenas nas palavras.
Quatro passos para resolver problemas
Considere os quatro passos alistados a seguir e observe como princípios bíblicos podem ajudar você a resolver problemas de modo amoroso e respeitoso.
1. Marque uma hora para conversar sobre o problema. “Para tudo há um tempo determinado, . . . tempo para ficar quieto e tempo para falar.” (Eclesiastes 3:1, 7) Conforme mostra a discussão já mencionada, alguns problemas podem trazer à tona fortes emoções negativas. Se isso acontecer, controle-se e diga ao seu cônjuge que é bom darem um tempo — para ‘ficarem quietos’ — antes que a situação piore. Você pode evitar muitos danos ao seu relacionamento se acatar o seguinte conselho bíblico: “O começo de uma briga é como a primeira rachadura numa represa: é bom parar antes que a coisa piore.” — Provérbios 17:14, Bíblia na Linguagem de Hoje.
Mas também há um “tempo para falar”. Problemas, assim como ervas daninhas, florescem quando são ignorados. Então, não desconsidere o problema, esperando que ele simplesmente desapareça. Se você pediu para darem um tempo na discussão, mostre respeito pelo seu cônjuge por marcar uma hora a fim de logo conversarem sobre o problema. Fazer isso pode ajudar ambos a aplicar o princípio por trás do conselho bíblico: “Não se ponha o sol enquanto estais encolerizados.” (Efésios 4:26) Naturalmente, você precisa cumprir a sua palavra.
TENTE O SEGUINTE: Marque uma hora específica para que toda semana vocês possam conversar sobre problemas familiares. Se você sabe que numa certa hora do dia fica irritado com mais facilidade — por exemplo, quando chega do trabalho ou antes de comer — combine não discutir problemas nessas horas. Em vez disso, escolha uma hora em que ambos provavelmente estejam menos estressados.
2. Diga o que sente de maneira honesta e respeitosa. “Falai a verdade, cada um de vós com o seu próximo.” (Efésios 4:25) Se você é casado, o seu próximo mais achegado é o seu cônjuge. Assim, seja honesto e específico sobre seus sentimentos ao se expressar. Margareta, casada há 26 anos, diz: “Quando eu era recém-casada, esperava que meu marido soubesse automaticamente como eu me sentia quando surgia um problema. Aprendi que isso era irrealístico. Agora tento dizer com clareza o que sinto e o que penso.”
Lembre-se de que seu objetivo ao discutir um problema não é vencer uma guerra ou conquistar um inimigo, mas apenas deixar que seu cônjuge saiba o que você pensa sobre o assunto. Para conseguir isso, diga, na sua opinião, qual é o problema, depois quando ele acontece, e então explique como você se sente a respeito disso. Por exemplo, se costuma se irritar com a bagunça que seu cônjuge faz, pode dizer com jeito: ‘Quando você chega do trabalho e deixa a sua roupa no chão [quando ocorre e qual é o problema], eu sinto que meus esforços para cuidar da casa não são reconhecidos [explique exatamente como você se sente].’ Daí, com tato, dê sua opinião sobre como solucionar o problema.
TENTE O SEGUINTE: Para ajudá-lo a ter bem em mente o que vai conversar com seu cônjuge, escreva o que você acha ser o problema e como gostaria de resolvê-lo.
3. Escute o seu cônjuge e leve em conta os seus sentimentos. O discípulo Tiago escreveu que os cristãos devem ser ‘rápidos no ouvir, vagarosos no falar, vagarosos no furor’. (Tiago 1:19) Poucas coisas causam mais infelicidade no casamento do que a impressão de que seu cônjuge não entende como você se sente a respeito de um problema. Assim, esteja determinado a não dar essa impressão ao seu cônjuge. — Mateus 7:12.
Wolfgang, casado há 35 anos, diz: “Fico tenso quando discutimos problemas, especialmente quando sinto que minha esposa não entende meu modo de pensar.” Dianna, casada há 20 anos, admite: “Muitas vezes me queixo ao meu marido que ele não me escuta quando discutimos problemas.” Como você pode superar esse obstáculo?
Não suponha que você sabe o que seu cônjuge está pensando ou sentindo. “Pela presunção só se causa rixa, mas há sabedoria com os que se consultam mutuamente”, diz a Palavra de Deus. (Provérbios 13:10) Mostre respeito pelo seu cônjuge por não interrompê-lo quando ele fala. Daí, para ter certeza de que você entendeu o que foi dito, repita em suas próprias palavras o que ouviu, sem ser sarcástico ou agressivo. Permita que seu cônjuge lhe corrija caso você não tenha entendido direito alguma coisa. Não domine a conversa. É bom que os dois sigam esses passos até que ambos concordem que entenderam os pensamentos e os sentimentos um do outro sobre o assunto.
É verdade que é preciso humildade e paciência para prestar atenção ao que seu cônjuge diz e levar em conta sua opinião. Mas se tomar a iniciativa em mostrar tal respeito pelo seu cônjuge, ele estará mais disposto a respeitar você também. — Mateus 7:2; Romanos 12:10.
TENTE O SEGUINTE: Ao repetir o que seu cônjuge disse, não use mecanicamente as mesmas palavras que ele ou ela usou. Com empatia, tente expressar o que você entendeu das palavras e dos sentimentos de seu cônjuge. — 1 Pedro 3:8.
4. Entre num acordo com seu cônjuge. “Melhor dois do que um, porque eles têm boa recompensa pelo seu trabalho árduo. Pois, se um deles cair, o outro pode levantar seu associado.” (Eclesiastes 4:9, 10) Poucos problemas num casamento serão resolvidos a menos que o marido e a esposa trabalhem juntos e apóiem um ao outro.
É verdade que Jeová designou o marido como cabeça da família. (1 Coríntios 11:3; Efésios 5:23) Mas ser chefe da família não significa ser tirano. Um marido sábio não tomará decisões sem levar em conta a opinião de sua esposa. David, casado há 20 anos, diz: “Eu tento encontrar um ponto de acordo com minha esposa e chegar a uma solução que seja boa para nós dois.” Tanya, casada há 7 anos, diz: “A questão não é quem está certo ou quem está errado. Às vezes, há apenas opiniões diferentes sobre como resolver um problema. Eu descobri que o que dá certo é ser flexível e razoável.”
TENTE O SEGUINTE: Criem um espírito de equipe por anotarem todas as diferentes soluções possíveis para determinado problema. Quando não tiverem mais idéias, dêem uma olhada na lista e coloquem em prática a solução que os dois acharem melhor. Daí, marquem uma hora para que, no futuro próximo, vocês possam ver se a decisão foi cumprida e até que ponto ela deu certo.
Cooperem um com o outro
Jesus comparou o casamento a um jugo. (Mateus 19:6) Em seus dias, um jugo era uma viga de madeira que mantinha dois animais juntos para que pudessem realizar o trabalho. Se os animais não cooperassem, o trabalho não renderia, e o jugo causaria irritação em seus pescoços. Se trabalhassem juntos, poderiam puxar cargas pesadas ou arar um campo.
Da mesma forma, o marido e a esposa que não conseguem trabalhar como equipe podem ficar “irritados” sob o jugo do casamento. Por outro lado, se aprendem a cooperar um com o outro, conseguem resolver quase todos os problemas e obter bons resultados. Kalala, que tem um casamento feliz, resume o assunto assim: “Por 25 anos, eu e minha esposa resolvemos nossos problemas por conversar de maneira franca, nos colocar no lugar um do outro, orar pedindo a ajuda de Jeová e aplicar os princípios bíblicos.” Será que você pode fazer o mesmo?
PERGUNTE-SE . . .
▪ Sobre que problema eu mais gostaria de conversar com meu cônjuge?
▪ Como posso ter certeza de que entendo o que meu cônjuge realmente pensa sobre o assunto?
▪ Se eu sempre insistir em fazer as coisas do meu jeito, que problemas posso criar?

Sentinela 01/05/2008 - Resolver problemas

domingo, 8 de maio de 2011

Bom fim de semana!



QUASE todo mundo o aguarda ansiosamente. Quando chega, é o ponto alto da semana: alguns viajam, outros participam de atividades recreativas ou religiosas, e ainda outros aproveitam para ficar em casa e dormir.
Estamos falando do intervalo entre o término de uma semana de trabalho e o início da outra — o fim de semana! Nos países ocidentais, esse período começa na noite de sexta-feira e vai até domingo. Mas como surgiu o fim de semana? E se onde você vive é comum a semana de trabalho de cinco dias, quais são algumas maneiras produtivas de usar esse tempo de folga?
Tudo começou com um dia de descanso
As leis de sábado dadas à nação de Israel uns 3.500 anos atrás estipulavam: “Seis dias se pode fazer alguma obra, mas no sétimo dia há um sábado de completo repouso. É algo santo para Jeová. Quem fizer alguma obra no dia de sábado será positivamente morto.” (Êxodo 31:15) O sábado era também uma ocasião para os pais israelitas darem instrução espiritual aos seus filhos.
O sábado judaico se iniciava ao pôr-do-sol de sexta-feira e ia até o pôr-do-sol de sábado. Porém, de acordo com The World Book Encyclopedia, os professos cristãos “estabeleceram o domingo como o dia especial dedicado à devoção porque acreditavam que a ressurreição de Jesus tivesse ocorrido nesse dia. Em 300 a.D., tanto a Igreja como o Estado reconheceram oficialmente o domingo como dia de descanso na Europa”.
Curiosamente, esticar o período de descanso para mais de um dia é uma ocorrência mais ou menos recente. A Inglaterra foi pioneira nisso. A partir da década de 1870, a semana de trabalho naquele país passou a terminar ao meio-dia de sábado. A folga de meio período de sábado somada ao domingo passou a constituir o fim de semana. A tarde de sábado começava com uma refeição em família que, segundo a revista Atlantic Monthly, “costumava ser seguida por um banho semanal numa casa de banho local”.
Nos Estados Unidos, o fim de semana foi esticado ainda mais — para dois dias. Segundo certa fonte de referência, a semana de trabalho de cinco dias foi adotada primeiro por uma fábrica na Nova Inglaterra, em 1908. Essa nova medida agradou tanto os trabalhadores judeus como os “cristãos”, pois cada grupo tinha o seu próprio dia de descanso — sábado para os judeus e domingo para os “cristãos”. A semana de trabalho de cinco dias logo teve ampla aceitação. O fabricante de automóveis Henry Ford foi um grande promotor dessa idéia, pois ele sabia muito bem que passeios em família nos fins de semana estimulariam a demanda de carros.
O que você vai fazer no fim de semana?
Atualmente, o fim de semana de dois dias faz parte do estilo de vida no Ocidente. Se você mora nessa parte do mundo, quando a semana vai chegando ao fim, é comum os colegas de trabalho perguntarem: “O que você vai fazer no fim de semana?” As pessoas ficam empolgadas com a expectativa de uma mudança de rotina.
Depois de ter o tempo controlado pelo seu empregador durante uma semana inteira, o fim de semana lhe dá a sensação de que você reassume o controle de sua vida. Representa uma pausa na rotina semanal, uma oportunidade de usufruir o descanso necessário ou de passar algum tempo com as pessoas que ama. Ou pode lhe proporcionar um dos passatempos mais populares de fim de semana — passear e fazer compras. “Gosto muito de ver o que tem nas lojas”, diz Brigitte, que mora na Alemanha.
Pesquisas mostram que muitas pessoas preferem usar seu tempo de lazer só para relaxar. Para os que não saem de casa por nada no fim de semana, há também muitas opções de lazer: cuidar de plantas dentro ou fora de casa, colecionar selos, tocar um instrumento musical ou ouvir música, assistir a filmes de vídeo, cozinhar, escrever cartas, ler, costurar, fazer tricô ou crochê, praticar esportes, pintar e muito mais. Alguns preferem atividades que lhes permitam interagir com os filhos ou com o cônjuge, como montar quebra-cabeças, jogar xadrez ou damas.
Será que a Bíblia condena esse uso aparentemente frívolo do tempo? Não necessariamente. Salomão escreveu: “Melhor é um punhado de descanso do que um punhado duplo de trabalho árduo e um esforço para alcançar o vento.” (Eclesiastes 4:6) Havendo moderação, brincadeiras, jogos, descanso e descontração têm o seu lugar na vida do cristão.
Evite os exageros
Convém lembrar que a descontração, quando em excesso, pode ser contraproducente e prejudicial. Por exemplo, o treinamento físico tem os seus benefícios. (1 Timóteo 4:8) Mas alguns “atletas de fim de semana” praticam atividades esportivas com um fervor quase religioso. Decididos a vencer dominando a técnica correta, alguns gastam muito tempo e dinheiro em aulas de treinamento e em sofisticados equipamentos esportivos.
Há também o perigo de forçar demais o corpo sem condicionamento. Certa revista fez menção de “atletas de fim de semana” de meia-idade que, decididos a recuperar a juventude, acabam exagerando e sofrendo contorções, cortes, ferimentos e contusões. Outros correm risco de sofrer um acidente grave ou mesmo perder a vida em esportes radicais. Assim, o conselho da Bíblia para sermos “moderados”, é bem apropriado. (Tito 2:2) Os exercícios devem revigorar, não deixar a pessoa exausta ou colocá-la em risco.
Alguns preferem exercícios físicos menos radicais. Por exemplo, muitos na Alemanha gostam de fazer caminhada, e uma das modalidades bem populares é o que chamam de caminhada contra o relógio. A idéia não é competir com outros participantes para ver quem chega primeiro, mas cobrir certo trajeto por uma área rural dentro de um tempo estipulado. Que maneira agradável de se exercitar e ao mesmo tempo apreciar belas paisagens! E é algo de que toda a família pode participar.
Fins de semana agitados
Às vezes as pessoas planejam tantas atividades para o fim de semana que acabam não aproveitando nenhuma delas. Quando chega segunda-feira, elas não se sentem revigoradas, mas esgotadas. Segundo uma pesquisa mencionada na revista alemã Focus, 27% dos entrevistados disseram que as suas atividades de lazer eram muito agitadas ou estressantes.
“O descanso é a mola mestra da eficiência”, disse a revista Time. Jesus Cristo também reconheceu a necessidade que todos temos de descanso e descontração. Marcos 6:31 relata que Jesus disse a seus discípulos: “‘Vinde, vós mesmos, em particular, a um lugar solitário, e descansai um pouco.’ Porque havia muitos que vinham e iam, e não tinham folga nem para tomar uma refeição.” Assim sendo, embora fazer exercícios, compras e atividades similares tenham o seu lugar, programar um tempo para se dedicar à leitura por lazer, descansar ou dormir pode contribuir muito para revigorá-lo. Mas há algo mais que você pode fazer para tornar o fim de semana ainda mais agradável.
Necessidades espirituais
Jesus disse no Sermão do Monte: “Felizes os cônscios de sua necessidade espiritual.” (Mateus 5:3) Um dos objetivos da instituição do descanso sabático era permitir que as pessoas cuidassem de sua espiritualidade. Será que os fins de semana podem servir a objetivos similares hoje em dia? Veja o caso das Testemunhas de Jeová. A maioria das congregações realiza suas principais reuniões cristãs no sábado ou no domingo. As reuniões maiores, como assembléias e congressos, também são realizadas em fins de semana. Muitas Testemunhas de Jeová gastam tempo nos fins de semana para fazer visitas de porta em porta falando da Bíblia aos seus vizinhos.
Naturalmente, como todos os demais, as Testemunhas de Jeová têm emprego, casa e família para cuidar. Quando possível, também planejam atividades de lazer para si mesmas e para a família. Mas elas dão prioridade a assuntos espirituais. Será que consideram isso um peso a mais na sua agenda? Vejamos o depoimento de algumas delas.
Antes de se tornarem Testemunhas de Jeová, Jürgen e Doris, um casal alemão, passavam os fins de semana fazendo exercícios num clube esportivo. Melle e Helena costumavam visitar galerias de arte. Helmut passava os fins de semana apreciando a natureza, e Silvia freqüentava uma discoteca. Porém, depois de se tornarem Testemunhas de Jeová, seus hábitos de lazer mudaram radicalmente.
Jürgen e Doris explicam: “Nossas atividades de lazer serviam para quebrar a monotonia, mas não era algo que enriquecia nossas vidas. Atualmente, ajudamos as pessoas a entender a Bíblia e isso dá significado e objetivo não só à vida delas, mas também à nossa.” Qual a opinião de Melle e Helena? “A Bíblia fornece orientações sobre o melhor modo de vida. Falar sobre isso com outros nos traz muitas alegrias.” Por que Helmut tem mais satisfação na vida agora? “Sei que o meu trabalho no ministério de pregação é importante para Jeová”, diz. E Silvia comenta: “Por meio da pregação, você contata pessoas e tem conversas interessantes. São duas coisas que aprecio muito.”
Por que não troca idéias com as Testemunhas de Jeová na próxima vez que o visitarem? Uma breve conversa com uma delas poderá levá-lo a encontrar mais objetivo na vida, não só no fim de semana, mas em todos os dias da semana.
Não importa qual seja a sua opção de lazer, torne o seu fim de semana edificante e agradável. Se você mora num lugar onde se fala o alemão, desejamos a você “schönes Wochenende”. Se o seu idioma é o espanhol, então, “¡Buen fin de semana!” Se você é ucraniano, “Бажаю вам приємно провести вихідні.” Independentemente do lugar onde vive, ou de sua ocupação, bom fim de semana para você!

Eu sou o caminho, a verdade e a vida.