quarta-feira, 29 de junho de 2011

Consolo que podemos ter no Salmo 55

Alemanha


Salmos 55:1-23

Ao regente, em instrumentos de cordas. Masquil. De Davi.
1 Dá deveras ouvidos à minha oração, ó Deus;
E não te ocultes diante do meu pedido de favor.
2 Presta deveras atenção a mim e responde-me.
Sou impelido incansavelmente pela minha preocupação
E só posso mostrar desassossego,
3 Devido à voz do inimigo, por causa da pressão do iníquo.
Pois deixam cair sobre mim o que é prejudicial
E em ira eles me têm rancor.
4 Meu próprio coração está em severas dores dentro de mim,
E os horrores da própria morte caíram sobre mim.
5 Temor, sim, o próprio tremor me penetra,
E cobre-me um estremecimento.
6 E continuo a dizer: “Quem me dera ter asas como a pomba!
Eu sairia voando e ficaria residindo.
7 Eis que eu fugiria para longe;
Hospedar-me-ia no ermo. — Selá —
8 Eu me apressaria a um lugar de escape para mim
Do vento impetuoso, da tormenta.”
9 Confunde, ó Jeová, divide a sua língua,
Porque vi violência e disputa na cidade.
10 Dia e noite fazem a ronda sobre as suas muralhas;
E dentro dela há o que é prejudicial e a desgraça.
11 Dentro dela há adversidades;
E da sua praça pública não se afastaram a opressão e o engano.
12 Porque não foi um inimigo quem passou a vituperar-me;
Senão eu o poderia suportar.
Não foi alguém que me odeia intensamente que assumiu ares de grandeza contra mim;
Senão eu poderia esconder-me dele.
13 Mas foste tu, um homem mortal que era como meu igual,
Um que me era familiar e meu conhecido,
14 Porque costumávamos desfrutar juntos de doce intimidade;
Costumávamos andar para a casa de Deus com a multidão.
15 [Venham] sobre eles desolações!
Desçam vivos ao Seol;
Porque durante a sua residência como forasteiros houve neles coisas más.
16 Quanto a mim, clamarei a Deus;
E o próprio Jeová me salvará.
17 À noitinha e de manhã, bem como ao meio-dia, somente me preocupo e solto gemidos,
E ele ouve a minha voz.
18 Certamente remirá a minha alma [e lhe dará] paz da peleja contra mim,
Pois vieram a ser contra mim em multidões.
19 Deus ouvirá e lhes responderá,
Sim, Aquele que está sentado [entronizado] como no passado — Selá —
Aos com quem não há mudanças
E que não temeram a Deus.
20 Estendeu as suas mãos contra os que estão em paz com ele;
Profanou o seu pacto.
21 Mais macias do que a manteiga são [as palavras de] sua boca,
Mas o seu coração está disposto à peleja.
Suas palavras são mais suaves do que o óleo,
Mas são espadas desembainhadas.
22 Lança teu fardo sobre o próprio Jeová,
E ele mesmo te susterá.
Nunca permitirá que o justo seja abalado.
23 Mas tu mesmo, ó Deus, os farás descer ao poço mais baixo.
Quanto aos homens culpados de sangue e enganosos, não viverão metade dos seus dias.
Eu, porém, confiarei em ti.


Lembre-se das palavras de Davi registradas no Salmo 55:22: “Lança teu fardo sobre o próprio Jeová, e ele mesmo te susterá. Nunca permitirá que o justo seja abalado.” Quando Davi escreveu essas palavras, ele estava muito aflito. (Sal. 55:4) Acredita-se que esse salmo tenha sido escrito quando seu filho Absalão armou um plano para roubar-lhe o trono. O conselheiro em que Davi mais confiava, Aitofel, participou da conspiração. Davi teve de fugir de Jerusalém para não morrer. (2 Sam. 15:12-14) Mesmo nessas circunstâncias difíceis, Davi continuou a confiar em Deus, e não ficou desapontado.
 É vital que nós, assim como Davi, oremos a Jeová a respeito de quaisquer problemas que enfrentemos. Vamos analisar o que o apóstolo Paulo nos instou a fazer nesse respeito. (Leia Filipenses 4:6, 7.) Qual será o resultado de orações sinceras assim? ‘A paz de Deus, que excede todo pensamento, guardará nossos corações e nossas faculdades mentais por meio de Cristo Jesus.’
 Será que a oração vai mudar nossa situação? Talvez. Devemos ter em mente, porém, que Jeová nem sempre responde às nossas orações do modo como gostaríamos. Mesmo assim, a oração nos ajuda a manter o equilíbrio mental para que a nossa aflição não nos domine. “A paz de Deus” pode nos acalmar quando estamos angustiados com sentimentos aflitivos. Como tropas de soldados designados para proteger uma cidade contra a invasão do inimigo, “a paz de Deus” protegerá nosso coração e nossas faculdades mentais. Também nos ajudará a combater dúvidas, medos e pensamentos negativos, e a não reagir de maneira precipitada e insensata. — Sal. 145:18.

W08 15/03

Quem não receber o reino de Deus como uma criancinha, de modo algum entrará nele. — Mar. 10:15.

Alemanha

sexta-feira, 17 de junho de 2011

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Como manter a alegria num mundo agitado



Muitas pessoas têm de lidar com as pressões da vida, mas poucas fazem isso com alegria. Para isso, é preciso um tipo especial de sabedoria.

RECONHECENDO isso, o livro The 24-Hour Society diz: “Temos de desenvolver a sabedoria que nos permita proteger a natureza e as necessidades humanas no mundo tecnológico que criamos.”
Felizmente, existe uma fonte de sabedoria prática que está ao alcance de todos. Trata-se do livro mais amplamente distribuído do mundo: a Palavra de Deus, a Bíblia. Ela foi inspirada por Aquele que entende perfeitamente a natureza e as necessidades humanas e, por isso, contém princípios de eficácia comprovada. Aplicando esses princípios, você conseguirá controlar melhor sua vida, o que lhe dará mais alegria ao enfrentar o mundo agitado em que vivemos. — Isaías 48:18; 2 Timóteo 3:16.
Esses princípios se relacionam com três campos principais. Primeiro, mostram como você pode simplificar a sua vida. Segundo, ajudam-no a estabelecer prioridades. Terceiro, dão-lhe uma perspectiva espiritual sobre a vida, que é muito superior a um ponto de vista meramente secular. Vamos analisar agora esses três campos.
Mantenha a vida simples e descomplicada
Imagine que você vai passar alguns dias acampando. Você quer ficar confortável, de modo que leva uma grande barraca com todo tipo de coisa que se possa imaginar. Leva também um reboque cheio de móveis, equipamentos de cozinha, um congelador, um gerador portátil, lâmpadas, um televisor e muitas outras coisas, incluindo comida. Mas arrumar todas essas coisas no acampamento leva horas. Daí, no fim de suas curtas férias, você leva outro tanto de tempo encaixotando tudo, sem falar que vai ter de guardar essas coisas quando chegar em casa. Pensando bem, você percebe que não teve tempo suficiente para desfrutar das férias. Começa a se perguntar se valeu a pena tanto esforço.
Para milhões hoje, a vida é mais ou menos como essa viagem para acampar. O sistema quer nos fazer acreditar que precisamos de um número infindável de bens materiais para sermos felizes, de modo que essas pessoas gastam um tempo enorme obtendo esses bens e cuidando da manutenção deles. Em contraste com isso, Jesus Cristo disse: “Mesmo quando alguém tem abundância, sua vida não vem das coisas que possui.” (Lucas 12:15) A qualidade de vida não pode ser medida pela riqueza material. De fato, as riquezas muitas vezes aumentam o estresse e as ansiedades da vida. “A fartura do rico não o deixa dormir”, diz Eclesiastes 5:12.
Assim, analise bem o que você possui e pergunte-se: “Essas coisas são realmente necessárias ou só estão entulhando a minha casa? Melhoram minha qualidade de vida, ou me fazem desperdiçar tempo valioso?” A introdução do livro Why Am I So Tired?, de Leonie McMahon, diz: “A invenção de vários eletrodomésticos, projetados para facilitar o trabalho doméstico, obrigou a dona-de-casa a arrumar um emprego fora a fim de comprá-los e custear sua manutenção.”
Se simplificar a vida, você terá mais tempo para a família, para os amigos e para si mesmo. Esse tempo é vital para sua felicidade. Não seja como aqueles que só no fim da vida descobrem que os amigos e a família são muito mais importantes — e mais interessantes — do que dinheiro ou bens. Só pessoas podem amá-lo. Embora contas bancárias, ações, computadores, televisores e outros aparelhos possam ter a sua utilidade, essas coisas são a casca, não o cerne, da vida. Quem dá prioridade a essas coisas demonstra que encara sua vida como tendo pouco valor e com o tempo fica insatisfeito e até amargurado. — 1 Timóteo 6:6-10.
Administre o tempo e estabeleça prioridades
Em alguns aspectos administrar o tempo é como equilibrar um orçamento. Se tentar fazer coisas demais nas poucas horas que tem disponíveis, você não estará vivendo dentro dos seus recursos, no que se refere ao tempo. Esse estilo de vida inevitavelmente leva a frustração, estresse e esgotamento. Assim, aprenda a estabelecer prioridades.
Primeiro, determine quais são as coisas mais importantes e reserve tempo suficiente para elas. Para os cristãos, as atividades espirituais sempre estão no alto da lista de prioridades. (Mateus 6:31-34) Quando a pessoa trata de assuntos importantes com pressa ou de forma superficial, muitas vezes surgem problemas graves. Assim, você talvez precise deixar de lado tudo que consome tempo, mas traz poucos benefícios.
Ao estabelecer prioridades, leve em conta sua necessidade de ficar a sós de vez em quando, de ter tempo para meditação proveitosa e para recarregar suas baterias. “Momentos significativos de solidão”, diz o periódico Psychology Today, são “como um tônico necessário no mundo agitado de hoje. . . . Esses momentos de solidão são um estímulo para a vida.” Pessoas ocupadas demais para meditar talvez passem a encarar a vida de forma superficial.
Modéstia e espiritualidade
Duas das coisas que mais ajudam a pessoa a levar uma vida feliz e equilibrada são a modéstia e a espiritualidade. Quem é modesto, não aceitará trabalho e responsabilidades além do que pode dar conta. Saberá quando é hora de se recusar a fazer horas extras ou a se envolver em outras atividades que tomariam o tempo de algo mais importante. Os modestos não têm inveja do que outros possuem ou fazem; por isso, em geral são mais felizes. A modéstia genuína, por sua vez, é uma faceta da espiritualidade, outra chave vital para se manter a vida sob controle. — Miquéias 6:8; 1 João 2:15-17.
A espiritualidade baseada no conhecimento exato da Bíblia fará de você alguém mais discernidor, que não será enganado pelos tolos conceitos do mundo sobre o que é ter sucesso na vida. Você aceitará o conselho sábio de 1 Coríntios 7:31: “[Que] os que fazem uso do mundo, [sejam] como os que não o usam plenamente; porque está mudando a cena deste mundo.” Os cristãos “fazem uso do mundo” quando ganham o sustento para si mesmos e para sua família, mas não deixam que o mundo os enlace. Sabem que ele não oferece verdadeira segurança, que logo será completamente eliminado e que o verdadeiro sucesso — segurança e vida eterna num paraíso terrestre — depende da reputação da pessoa perante Deus. (Salmo 1:1-3; 37:11, 29) Assim, aceite o conselho de Jesus e faça um bom investimento, armazenando “tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde ladrões não arrombam nem furtam”. — Mateus 6:20.
Evite a ansiedade e encontre verdadeira paz
À medida que o sistema atual se aproxima do fim, sem dúvida o estresse aumentará e nossa agenda ficará mais apertada. Como é importante, então, que nos esforcemos para aplicar o conselho bíblico: “Não estejais ansiosos de coisa alguma, mas em tudo, por oração e súplica, junto com agradecimento, fazei conhecer as vossas petições a Deus; e a paz de Deus, que excede todo pensamento, guardará os vossos corações e as vossas faculdades mentais por meio de Cristo Jesus.” Pessoas que têm um conceito puramente secular, que não acreditam no valor da oração, não conseguem alcançar essa paz. — Filipenses 4:6, 7.
Mas Jeová vai fazer muito mais do que lhe dar paz mental. Ele o ajudará a levar diariamente sua carga de responsabilidade se você ‘lançar sobre ele toda a sua ansiedade’. (1 Pedro 5:7; Salmo 68:19) Portanto, é sensato escutar a Deus todo dia lendo um trecho da Sua Palavra. Quem poderia lhe dar conselhos melhores do que o seu Criador? (Salmo 119:99, 100, 105) De fato, a experiência tem mostrado que aqueles que colocam a Deus como o centro de sua vida são grandemente ajudados a manter a alegria no mundo agitado em que vivemos. — Provérbios 1:33; 3:5, 6.

Despertai 08/02/2001

Cada um de nós prestará contas de si mesmo a Deus. — Rom. 14:12.

Alemanha

terça-feira, 7 de junho de 2011

ESTRATÉGIA



Um senhor vivia sozinho em Minnesota.
Ele queria virar a terra de seu jardim para plantar flores, mas era um trabalho muito pesado. 

Seu único filho, que o ajudava nesta tarefa, estava na prisão.
O homem então escreveu a seguinte carta ao filho:
'Querido Filho, estou triste, pois não vou poder plantar meu jardim este ano.
Detesto não poder fazê-lo, porque sua mãe sempre adorava as flores,
esta é a época do plantio.
Mas eu estou velho demais para cavar a terra.
Se você estivesse aqui, eu não teria esse problema, mas sei que você não pode me ajudar, pois estás na prisão.
Com amor, Seu pai.'


Pouco depois, o pai recebeu o seguinte telegrama:
'PELO AMOR DE DEUS, pai, não escave o jardim! Foi lá que eu escondi os corpos'
Como as correspondências eram monitoradas na prisão...
Às quatro da manhã do dia seguinte, uma dúzia de Agentes do FBI e Policiais apareceram, e cavaram o jardim inteiro, sem encontrar nenhum corpo.

Confuso, o velho escreveu uma carta para o filho contando o que acontecera.

Esta foi a resposta:
'Pode plantar seu jardim agora, pai. Isso é o máximo que eu posso fazer no momento.' 

Te amo.
Estratégia é tudo!!!
 
Nada como uma boa estratégia para conseguir coisas que parecem impossíveis. 


Assim, é importante repensar sobre as pequenas coisas que muitas vezes nós mesmos colocamos como obstáculos em nossas vidas. 

'Ter problemas na vida é inevitável, 

ser derrotado por eles é opcional'
 


Já tinha lido esta Estratégia, mas recebi novamente do Ideraldo Catine e resolvi postá-lo para os que ainda não leram.
Realmente, estratégia pode nos ajudar a vencer os obstáculos da vida.



  

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Como granjear verdadeiros amigos

“A ÚNICA maneira de se ter um amigo é ser amigo”, escreveu Emerson, o poeta americano. A amizade é uma via de mão dupla, envolvendo o espírito de dar. Pessoas introvertidas e as com tendências egoístas acham difícil fazer verdadeiros amigos. Não obstante, elas podem ser bem-sucedidas, como veremos.
A verdadeira amizade germina do amor, porque o amor atrai as pessoas. Todavia, alguns têm dificuldade em fazer amigos. Como pode a pessoa superar isso?
“Seja bom ouvinte. Incentive outros a falarem a respeito deles mesmos”, aconselhou Dale Carnegie. Quando pessoas desconhecidas são apresentadas, talvez num encontro social, quem são as que travam amizades? Não são as que falam muito, mas sim as que se interessam calorosamente em outros, fazendo com que se expressem e realmente os escutando. Lembrar-se de nomes e de fatos interessantes a respeito de novos conhecidos pode também ajudar a desenvolver amizades.
No livro Essenciais na Comunicação Entre Pessoas (em inglês), Kim Giffin e Bobby R. Patton recomendam deixar-se conhecer e a autenticidade. “Para que alguém lhe seja importante”, dizem, “você precisa conhecer algo sobre ele/ela que lhe interesse . . . [Seja] aberto e franco em todas as ocasiões . . . As suas respostas a outros devem ser sinceras.”
Os verdadeiros amigos não são apenas honestos, mas também demonstram consideração, nunca tentando impor-se um ao outro, ou sendo excessivamente possessivo. Eles entendem um ao outro, podem compreender o ponto de vista do outro, e podem assim mostrar empatia. À medida que o relacionamento se desenvolve, eles abrem seu coração um ao outro, tornando-se não apenas bons amigos mas também amigos íntimos. Nem todos os verdadeiros amigos são amigos íntimos. Jesus Cristo, a mais amistosa pessoa que já pisou na terra, fez muitos amigos, mas apenas alguns eram realmente amigos íntimos. — Marcos 9:1-10; Lucas 8:51.
O Livro da Verdadeira Amizade
A Bíblia, em muito o melhor livro sobre o tema da amizade, diz: “O verdadeiro companheiro está amando todo o tempo e é um irmão nascido para quando há aflição.” (Provérbios 17:17) Os verdadeiros amigos são compassivos e prontos para ajudar quando surgem problemas. A seguir, um bom exemplo disso — um episódio dos dias do antigo Israel.
Por causa da fome, certo homem de Judá mudou-se para Moabe com sua esposa, Noemi. Com o tempo, ele veio a falecer. Mais tarde, seus dois filhos casaram-se com as moças moabitas Rute e Orpa. Daí, os filhos morreram, deixando sozinhas três viúvas. Noemi, a mãe, decidiu voltar para Judá, e as suas duas noras passaram a acompanhá-la. Contudo, durante o percurso, Noemi instou as jovens a regressarem e procurar novos esposos dentre seu próprio povo. Orpa fez isso, mas Rute insistiu em acompanhar Noemi. Por quê? Porque ela era mais do que uma nora; era também uma verdadeira amiga. Por um lado, sua natureza compassiva não a permitiria deixar a idosa viúva, despojada de sua família, ir sozinha. — Rute 1:1-17.
Rute mostrou verdadeira empatia, bondade, lealdade e amor. Tais qualidades constituem a sólida base da verdadeira amizade. Havia, porém, outro fator envolvido no relacionamento de Rute com Noemi.
Amizade num Plano Mais Elevado
Quando Noemi instou com Rute a voltar, esta disse: “Não instes comigo para te abandonar, . . . pois, aonde quer que fores, irei eu . . . Teu povo será o meu povo, e teu Deus, o meu Deus.” (Rute 1:16) Noemi ajudara a Rute, anteriormente pagã, a conhecer e a amar o verdadeiro Deus, Jeová. A crença que compartilhavam tornou-se poderoso vínculo espiritual unindo essas duas mulheres como verdadeiras amigas. E Jeová as abençoou com uma nova família. Com o tempo, Rute casou-se com Boaz, um próspero dono de terras em Judá, e teve um filho chamado Obede, que se tornou avô do Rei Davi. — Rute 4:13-22; Mateus 1:5, 6.
Este fator espiritual coloca a amizade num plano mais elevado. Como? No caso de Rute e Noemi, ambas adoravam a Jeová, “Deus misericordioso e clemente, vagaroso em irar-se e abundante em benevolência e em verdade”. (Êxodo 34:6) “Deus é amor”, e quando sinceramente o adoramos com espírito e verdade, certamente aumentamos em amor a ele e a nossos semelhantes. (1 João 4:8; João 4:24) Assim, nós mudamos. Desenvolvemos um amistoso interesse em outros, especialmente pelos mansos, pessoas sofredoras de todas as raças. Pessoas introvertidas tornam-se assim menos egocêntricas. Pessoas egoístas desenvolvem preocupação para com outros. Passamos a mostrar os frutos do espírito de Deus — “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, brandura, autodomínio”. — Gálatas 5:22, 23.
Estas qualidades nos ajudam a desenvolver a habilidade vital de perdoar as fraquezas e os erros de outros — “não . . . Até sete vezes, mas: Até setenta e sete vezes”, como disse Jesus. (Mateus 18:21, 22) Muitas amizades fracassam neste ponto. Mas, Jesus Cristo tanto pregou como praticou isto. Quantas vezes ele perdoou os erros de seus discípulos imperfeitos e falíveis, incluindo até mesmo a vergonhosa renegação de seu Senhor, por parte de Pedro! — Mateus 26:69-75.
Em resultado de todo esse desenvolvimento espiritual, o nosso círculo de amizades aumenta. Por fim, descobrimos que pertencemos a uma vasta e global família de amigos! Descobrimos também que o padrão geral de nossos amigos é muito superior. Por exemplo, Bruno, um relativamente recente adorador de Jeová, lembra-se de que anteriores amigos levaram-no a bebedeiras e a negligenciar sua esposa e seus filhos. Mas agora ele é muito dedicado à sua família. Sobre seus muitos novos amigos que compartilham a mesma fé em Jeová, ele diz: “Se eu tiver um problema, sei que poderei apanhar o telefone e chamar qualquer um deles, e eles terão prazer em ajudar.”
Alan tinha amigos cuja conversa geralmente girava em torno de carros e de garotas. Mas, ele achou tais assuntos “enfadonhos e vazios”, depois que fez muitos novos amigos que, como ele, amam a Jeová. Eles surpreenderam a Alan com o “interesse espontâneo, genuíno e amoroso” nele.
Os Nossos Melhores Amigos
Todas essas pessoas e milhões mais formam uma família mundial, apolítica, de amigos que transcende barreiras nacionais, raciais e sociais — uma verdadeira fraternidade humana, exatamente como a dos primitivos cristãos. (3 João 14) O mesmo vínculo que uniu Rute e Noemi também une esta família, a saber, a adoração pura de Jeová Deus. Todos os que a ela pertencem reconhecem humilde e gratamente que Jeová e Jesus Cristo são os seus melhores amigos.
‘Ter o Deus Todo-Poderoso e seu Filho como amigos?’, talvez se pergunte. ‘Como é isso possível? Não é isso uma presunção?’ Bem, a Bíblia diz: “Abraão depositou fé em Jeová, . . . e ele veio a ser chamado ‘amigo de Jeová’.” Tratava-se certamente de bondade imerecida. Contudo, a Palavra de Jeová diz: “Deus opõe-se aos soberbos, mas dá benignidade imerecida aos humildes.” — Tiago 2:23; 4:6.
Alguns talvez se considerem pecaminosos demais para ter tal privilégio. Mas Tiago prossegue: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Limpai as vossas mãos, ó pecadores, e purificai os vossos corações, ó indecisos. Humilhai-vos aos olhos de Jeová, e ele vos enaltecerá.” — Tiago 4:8, 10.
Jesus disse: “Vós sois meus amigos, se fizerdes o que vos mando.” Ele frisou também que os maiores mandamentos são ‘amar a Jeová de todo o nosso coração, alma, e mente, e o nosso próximo como a nós mesmos’. (João 15:14; Mateus 22:37-40) Se fizermos isso, teremos muitos amigos verdadeiros. Ademais, habilitar-nos-emos assim a outro grande privilégio — a vida eterna numa terra purificada sob o Reino de Deus. (Mateus 6:9, 10) Como disse Jesus: ‘O mandamento [de Jeová] significa vida eterna.’ — João 12:50.
Permitirá que as Testemunhas de Jeová o ajudem? Quais pessoas genuinamente amistosas, estão dispostas a visitá-lo e a considerar esse assunto vital com você, gratuitamente. Elas podem ajudá-lo a fazer muitos verdadeiros amigos.

Algumas Dicas Para Verdadeiras Amizades


  Seja seletivo quanto aos com quem se associa.
  Interesse-se calorosamente nos outros, e seja bom ouvinte.
  Façam coisas juntos — experiências compartilhadas fortalecem a amizade.
  Seja franco, aberto e sincero em todas as ocasiões.
  Mostre empatia e compaixão quando outros enfrentam dificuldades.
  Quando seus amigos cometerem erros ou o aborrecerem, esteja pronto para perdoar — até mesmo “setenta e sete vezes”. — Mateus 18:22.
  Quando os seus amigos forem caluniados ou injustamente criticados, seja leal e defenda-os.
  Participar juntos na adoração de Jeová fortalece imensamente a amizade.


Rute recusou abandonar a Noemi porque a amizade delas tinha sólida base espiritual. Tem você verdadeiros amigos assim?


Resmungam contra mim. — Núm. 14:27.

Alemanha

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Aprendendo sobre a amizade





POR QUE SER AMIGÁVEL, E COM QUEM? COMO PODE EVITAR AMIZADES PERIGOSAS?
APESAR das mudanças científicas no mundo nos anos recentes, as pessoas ainda precisam umas das outras. Para a maioria das pessoas, tal necessidade não é satisfeita por simples conhecidos, mas vai mais fundo do que isso. Busca um amigo a quem se possa confiar os pensamentos mais preciosos. Seu anseio é de um confidente fidedigno, responsável, que venha socorrer a pessoa quando em necessidade.
A situação ideal é quando a maioria das necessidades emocionais da pessoa são satisfeitas dentro da relação familiar cristã. Os filhos que têm pais devotados e irmãos e irmãs amorosos, têm boa razão para se sentirem mui contentes. Sustentada por este calor e esta associação, a criança pode crescer feliz e bem equilibrada, sem ter sempre de procurar outrem para satisfazer suas necessidades emotivas.
Entretanto, até mesmo quando a amizade no lar existe, os filhos talvez sintam o impulso de travar novas amizades. O estímulo provido por outras crianças com cerca da mesma idade pode ser proveitoso. Por outro lado, a inexistência de amizade dentro e fora da relação familiar faz com que muitos jovens se tornem solitários. Este é um problema comum entre os adolescentes.
Os pais que estão cônscios disto tentam satisfazer a crescente necessidade de seus filhos, a de terem amigos. Uma forma em que podem fazê-lo é por criarem uma relação mais íntima e mais confidencial com eles. Os adolescentes, em especial, acham que a vida assume um tom mais feliz quando os pais lhes dão a oportunidade de expressarem seus conceitos, e os ajudam a solucionar suas dúvidas e incertezas. Em palestras francas, os filhos podem ser fortalecidos com encorajamento e conselho.
Há também ocasiões em que a amizade de outro jovem pode fornecer o encorajamento necessário. Escreveu certo homem de meia-idade sobre seus anos jovens: “Como adolescente, eu era muito temperamental, por razões das quais não me recordo mais. Durante certa semana particularmente ruim, quando estava na maior depressão, achando-me feio, incompreendido e que ninguém gostava de mim, tocou o telefone. Um rapazola ginasiano . . . estava na linha. ‘Que que há?’ perguntou gentilmente quando ouviu minha voz. ‘Parece até que você não tem nenhum amigo no mundo — eu não morri ainda!’ Uma frase fácil, graciosa, talvez — mas em vinte e cinco anos eu não a esqueci, como me sentei mais ereto, sorri e senti-me vivo de novo naquela noite.”
Como Tornar-se um Amigo
Alguns parecem ter talento para fazer amigos. Outros precisam aprender a arte da amizade, e aprendem mesmo. Ainda outros não são nem dotados em amizade nem rápidos em aprender seus jeitos. Precisam de ajuda. Qualquer que seja o caso, a fim de ser amigo a pessoa tem de preocupar-se com as pessoas, com o que elas pensam, como elas se sentem e por que sofrem. Tem de interessar-se solidariamente nas coisas que as pessoas fazem. A pessoa precisa aceitar suas faltas, bem como suas virtudes. Precisa estar disposta a fazer sacrifícios para ajudar outros a alcançar seus alvos.
O poeta e ensaísta estadunidense Ralph W. Emerson, disse certa vez: “A única maneira de se ter um amigo é ser um.” Ajude alguém, se quer um amigo. Isso deve ser fácil, porque há tantas pessoas hoje que precisam de ajuda. Quando há trabalho a ser feito, apresente-se para fazê-lo. O trabalho une as pessoas.
Convide pessoas para virem à sua casa saborear uma refeição ou simplesmente conversar com o leitor, tomando uma chávena de chá ou uma xícara de café. Afirme simplesmente: “Que tal ir visitar-nos no sábado de noite?” Mesmo que não seja conveniente que venham nessa ocasião, pelo menos ficarão sabendo que gostaria de conhecê-los melhor.
Talvez, o próprio início duma amizade seja a disposição de dizer “alô” primeiro. É preciso que mostre que gosta das pessoas. Se as saudar com um sorriso e com um cumprimento alegre, talvez fique surpreso com as respostas que lhe darão.
O Que É Necessário Para Manter a Amizade
Pode-se assemelhar a amizade a uma planta que precise ser cultivada. Tem de ser regada e cuidada, se há de produzir frutos doces e saudáveis.
Manter uma amizade não é algo automático. Exige planejamento. Na nossa lista semanal de coisas a fazer, bem que poderíamos assinalar ações de amizade. Poderíamos anotar os nomes daqueles a quem gostaríamos de visitar ou telefonar, ou mandar um bilhete, ou enviar um presente. Quão fácil é negligenciar amigos só porque são amigos. Muitos que conhecem a arte da amizade planejam jantar uma vez por semana ou uma vez por mês com certos amigos.
Uma ajuda para preservar as amizades é fazer as coisas juntos. Certo amigo ensinou outro a cozinhar. Depois disso, os deleites de cozinhar enriqueceram suas palestras e suas vidas. Outros incentivaram os amigos a ir com eles a certos lugares, e a fazer coisas juntos, como visitar museus, passearem pelos parques ou irem juntos a piqueniques.
A distância talvez impeça os amigos de estarem juntos, mas uma carta calorosa pode sanar a lacuna. Um telefonema pode fazer-lhes lembrar de que se interessa por eles. Talvez seja possível passarem umas férias junto com velho amigo e renovar a amizade. Não raro as reuniões são muito animadoras.
Resolver Problemas
O problema de ciúme às vezes surge entre amigos. Algumas pessoas desejam que fique reservado só para elas. Mas, a amizade também significa compartilhar um amigo com outras pessoas. Isto exige humildade. Exige a habilidade de controlar o ressentimento, ao invés de deixar que persista e envenene o espírito. Bons amigos não são tiranos nem capachos; constituem um feliz equilíbrio.
A amizade também subentende disciplina. Há perigo de a pessoa se tornar o que o apóstolo Pedro chama de “intrometido nos assuntos dos outros”, e isso pode estragar logo uma amizade. Assim, é proveitoso examinar a conversa da pessoa. — 1 Ped. 4:15.
Também, nestes dias ocupados, não podemos esperar que os outros nos visitem ou nos recebam constantemente. O inspirado Provérbio (25:17) afirma: “Faze raro o teu pé na casa do teu próximo, para que não se farte de ti e certamente te odeie.”
E quando for convidado para uma noitinha na casa de outrem, é sábio não manter acordado seu anfitrião até altas horas. Usualmente há muita coisa a fazer depois de os convidados partirem, e se já for muito tarde, isso talvez signifique mais dificuldades para o anfitrião. Algumas pessoas se vão tão tarde que talvez não sejam convidadas tão amiúde como poderiam sê-lo. E, talvez algumas pessoas que não podem ficar acordadas até altas horas, por questões de idade ou de saúde, ou por terem de levantar-se cedo, não são tão hospitaleiras como gostariam de sê-lo porque os convidados não raro simplesmente não sabem quando ir embora.
Que Espécie de Amigos Cultivar
Talvez o fator mais vital para uma amizade duradoura seja a escolha que fazemos em primeiro lugar. Muitos fazem o erro de escolher amigos pela sua utilidade. Escolhem amigos pelo que eles possuem ou podem contribuir, e não realmente pelo que são. Via de regra, tais amizades não florescem.
Outras pessoas são simplesmente pessoas que querem a ascensão social ou uma posição social de destaque. Sua amizade se acha manchada com um propósito egoísta. “É preciso se ter o cuidado de se associar com aqueles que realmente contam ou, de outra forma, não se chegará a lugar nenhum”, afirmam. Isto está muito longe da prática cristã. (Tia. 2:1) As amizades baseadas no egoísmo são ocas, vazias, estéreis. — Luc. 14:12-14.
Ao escolher amigos, seja seletivo de modo piedoso. Até o próprio Deus é seletivo na escolha de amigos. Deus chamou a Abraão de seu amigo, por causa da fidelidade de Abraão. (Tia. 2:23) E o Salmo quinze mostra que Deus estabelece padrões elevados para aqueles ‘que seriam hóspedes em sua tenda’ — nem todos são benvindos. Jesus Cristo também estabeleceu padrões para aqueles que seriam seus amigos. A seus seguidores, afirmou: “Sois meus amigos se fizerdes o que eu vos mando.” — João 15:14.
O que dizer do leitor? É seletivo na questão de amigos? Possui fidedignas normas orientadoras? Visto que seremos influenciados até certo ponto pelos amigos que tivermos, seria bom sermos seletivos.
Cônscios da qualidade, certamente não faríamos nenhum erro se escolhêssemos aqueles a quem Deus e Cristo chamam de amigos. Podemos esperar que primem em amor, longanimidade, bondade, boa qualidade moral e domínio de si. (Gál. 5:22, 23) Aqueles que possuem estas qualidades excelentes e piedosas constituirão excepcionais amigos deveras! Nada atrai mais os amigos do que seu amor mútuo a Deus. Conforme Rute, que é mencionada na Bíblia, disse a Noemi: “Teu povo será o meu povo, e teu Deus o meu Deus.” — Rute 1:16, 17.
O cristão dedicado tem de considerar este assunto da amizade tendo presente vários princípios bíblicos salvaguardadores. Por exemplo, aquele que diz: “Más associações estragam hábitos úteis.” E outro que afirma: “Portanto, todo aquele que quiser ser amigo do mundo, constitui-se inimigo de Deus.” (1 Cor. 15:33; Tia. 4:4) Assim, vemos que a escolha devida de amizades não só influenciará nossos hábitos diários, mas também terá efeito direto em nossa relação com Deus.
Visando salvaguardar as relações da pessoa com Deus, é sábio acolher o conselho de Sua Palavra, por ‘se afastar’ da associação com certos tipos de pessoas. Quem são elas? O apóstolo Paulo menciona os “amantes do dinheiro” — aqueles cujos pensamentos estão sempre nos bens materiais. Também alista aqueles que são “desobedientes aos pais”, os ‘orgulhosos’, e os “sem autodomínio”, e os que são “mais amantes de prazeres do que amantes de Deus”. (2 Tim. 3:2-5) Nenhuma amizade deve ser estabelecida com pessoas assim, de jeito algum. Este conselho bíblico, se seguido, pode servir de verdadeira proteção.
Visto que o verdadeiro amigo deve ser um confidente fidedigno, devemos também assegurar-nos que nosso amigo não seja do tipo que tagarelaria a nosso respeito, para nosso dano. A respeito de tais amigos, a Bíblia afirma: “Quem encobre uma transgressão está procurando amor, e aquele que continua falando sobre um assunto separa os que estão familiarizados uns com os outros. O verdadeiro companheiro está amando todo o tempo.” “Há companheiros dispostos a se fazerem mutuamente em pedaços, mas há um amigo que se apega mais do que um irmão.” — Pro. 17:9, 17; 18:24.
É importante, também, que os amigos compartilhem os mesmos interesses e alvos. Se escolher como amigo alguém cujos interesses o levem em outra direção, talvez perca o seu alvo na vida. Isto se dá em especial quanto à pessoa que se deseja provar fiel como servo de Deus.
Assim, mediante a Palavra de Deus, a Bíblia, aprendemos o que é a verdadeira amizade, que leva ao amor cristão, que promove a comunicação livre, que traz conforto em tempos difíceis e concede a oportunidade de se fazer coisas em favor de outros. A amizade enriquece a vida da pessoa e a tempera com maior felicidade. Assim, seja amigável — seja um amigo.

G70  08/12

Queremos comportar-nos honestamente em todas as coisas. — Heb. 13:18.

Alpes - Alemanha-Suíça