quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Aproveite ao máximo as circunstâncias




QUEM é que, hoje em dia, verifica ser absolutamente ideal o seu quinhão na vida? Dificilmente há alguém! Sem dúvida, todos temos de enfrentar certas durezas ou perturbações. No entanto, nas atuais condições imperfeitas, por que não tenta aproveitar ao máximo suas circunstâncias? Se fizer isso, poderá contar muitas bênçãos.
Acontece-lhe ser uma dona de casa com uma família, talvez uma família grande? Sente-se às vezes descontente, amolada e um pouco frustrada? Talvez haja pilhas de pratos a lavar, grande cesto de roupa suja a lavar e passar e vários quartos a limpar. Por que não encarar as coisas de forma positiva? Não indicam estas mesmas coisas que sua família tem bastante para comer, suficiente roupa e um teto sobre suas cabeças? O que é melhor, a sua situação, ou a de milhões que sentem-se famintos, andam seminus e não têm um lar?
Talvez suas circunstâncias sejam tais que tenha de ser extremamente frugal em tudo que compra. Por que não considera isto como um desafio à sua engenhosidade de aproveitar ao máximo as coisas? Houve a dona de casa que, nos anos posteriores de prosperidade chegou a afirmar que seus anos mais felizes foram durante os tempos difíceis da Depressão, por causa do prazer derivado de fazer o melhor uso possível de tudo para conseguir cobrir suas despesas. Ademais, sabia que grande número das doenças degenerativas modernas se acham um tanto intimamente associadas com o modo de vida próspero?
Ou é vítima da aposentadoria compulsória, tendo sessenta e cinco anos ou sendo mais velho? Será que os dias agora lhe parecem longos, e arrastar-se, atingindo não só sua disposição mental mas também sua saúde? Nesta situação, adote o conceito positivo e tente ser de ajuda a outros. Conforme certo compêndio para o tratamento dos idosos e dos excepcionais se expressa: “Há uma lenda que o homem idoso morrerá de fome se não tiver alguém que cozinhe para ele e a senhora idosa morrerá de fome se não tiver alguém para quem cozinhar. Trata-se dum truísmo geralmente aceito.” Assim, há bastantes pessoas que se poderiam beneficiar de sua ajuda.
Agora, como cidadão mais idoso, talvez seja o tempo de empreender um ou mais passatempos que lhe dêem mais prazer de viver. Talvez seja a fotografia, ou aprender a tocar algum instrumento musical, ou aprender um idioma estrangeiro. Ou, talvez ache interessante cultivar plantas como um jardim bonsai ou violetas africanas. Daí, então, seu temperamento talvez se ajuste a fabricar artefatos de madeira, de couro ou de metal, ou escrever poesia ou artigos. Tais passatempos não só aumentaram o interesse mas também a renda de muito senhor ou senhora aposentados.
Ou, talvez, seja o arrimo duma família, mas, na atualidade, esteja desempregado. Por certo se trata duma circunstância provadora em que se encontra. Todavia, mesmo nesse caso, não melhorará sua situação por entregar-se ao modo de pensar negativo e ficar amargurado ou casmurro. Siga o proceder sábio: conte e aprecie suas bênçãos. Se tiver certa medida de saúde e vigor, pode sentir-se grato por tais coisas. Na medida em que tiver entes queridos, dispõe de motivos para sentir-se grato, pois, não são eles tesouros inestimáveis? Dispõe de seguro de desemprego, seguro social, de economias, ou de alguma outra forma de auxílio? Se assim for, aprecie tais provisões.
Aprenda a aproveitar ao máximo suas circunstâncias. É óbvio que há limite quanto ao tempo que possa gastar procurando emprego. Mas, não é verdade que, quando tinha pleno emprego, havia tantas coisas que precisavam ser feitas no lar, para as quais não dispunha de tempo? Agora tem tempo; interesse-se em fazê-las.
Devido ao desemprego, talvez disponha de tempo para ler mais, a leitura da espécie que não só é interessante mas também educativa. Talvez consiga agora adquirir perícias que talvez até mesmo lhe sirvam para conseguir um emprego melhor.
Ou, tem dificuldades físicas? Então, aprenda uma lição de certo californiano, pai de sete filhos. Contraiu uma infecção que paralisou por completo todos os seus quatro membros, tornando-o um quadriplégico. Embora já esteja nesta situação por mais de treze anos, é a pessoa mais jubilosa, otimista e extrovertida que poderia desejar conhecer. Incapaz de usar qualquer coisa além da mente e a voz, juntou-se a um clube de correspondência e se corresponde com pessoas de todo o mundo por meio de gravações a fita, seus filhos mudando as fitas para ele. Também faz gravações para amigos e conhecidos cegos. A experiência dele traz à memória o velho ditado: ‘Eu me queixava de não ter sapatos até que encontrei um homem que não tinha pés.’
As dedicadas testemunhas cristãs de Jeová, em especial, aprendem a aproveitar ao máximo as circunstâncias. Além de praticarem a prudência quanto às coisas materiais, usam qualquer tempo extra de que disponham para promover seu ministério. Fazem estudo e pesquisa bíblicos pessoais e devotam tempo a pregar a boa-nova do reino de Deus e a tentar fazer discípulos daqueles que amam a Bíblia e a justiça. — Mat. 24:14; 28:19, 20.
Não ficam facilmente desanimados. Como exemplo, considere a dedicada senhora cristã que reside em Porto Rico, sendo esposa dum marido descrente. Como a maioria das donas de casa, cuida de seu lar e prepara as refeições do marido. Ao mesmo tempo, faz a média de várias horas por dia, falando aos outros a boa-nova do reino de Deus. E faz todas estas coisas com o coração alegre, embora seja totalmente cega; ela se movimenta com a ajuda dum cão para cegos.
O que especialmente ajuda estes cristãos dedicados a aproveitar ao máximo as coisas é amarem a Deus de todo o seu coração, sua alma, sua mente e sua força, e amarem o próximo como a si mesmos. Acatam a Palavra de Deus, de buscar primeiro o reino de Deus e Sua justiça, avaliam que a piedade com contentamento é grande lucro, e descobriram, pela experiência, que há mais felicidade em dar do que há em receber. Se desejar ajuda para aproveitar ao máximo suas circunstâncias, eles se sentirão alegres de lhe oferecer tal ajuda. — Mar. 12:30, 31; Mat. 6:33; 1 Tim. 6:6; Atos 20:35.




Despertai 22/06/1972

3 comentários:

  1. Embora ainda estejamos num mundo de imperfeição, temos o privilégio de desfrutar um paraíso espiritual.
    Olhando nossa vida deste ponto de vista, somos muito felizes e realizados.
    Apesar dos problemas comuns a todos, queremos ajudar o maior número possível de pessoas a também desfrutarem esta felicidade.
    Lindo artigo
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Jeová sempre nos conforta, em qlqr circunstância, seja qual for a maneira q Ele use, Ele sempre está pronto, d fato, a ouvir as nossas orações!!!
    Deveras, é um artigo lindo!Obrigada, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Gostei desse artigo, é realmente precisamos encarar as coisas de maneira positiva, sempre pensar naquilo que temos ou já conquistamos, e nunca só pensar naquilo que não temos.

    ResponderExcluir

Como é bom compartilharmos nosso estudo pessoal.
Sinta-se a vontade para comentar.